"HALL OF FAME" - CONFIRA A CLASSIFICAÇÃO GERAL AQUI:

NÃO SOU CADASTRADO                                                         NÃO LEMBRO A SENHA/USUÁRIO
usuario: senha:

OBJETIVA: (494281 votos)..........95.68% das questões objetivas receberam votos.
A causa mais comum de hipertensão porta pré-hepática é:
A. a trombose da veia portal
B. a transformação cavernomatosa da veia porta
C. à inflamação pancreática ou neoplasia
D. a transformação da veia gastroepiplóica em vaso colateral
E. a esquistossomose

  RATING: 2.91

A causa mais comum de hipertensão porta pré-hepática é:

A. a trombose da veia portal
CORRETO: A causa mais comum de hipertensão porta pré-hepática é a trombose da veia portal, responsável por metade dos casos de hipertensão porta em crianças.
B. a transformação cavernomatosa da veia porta
INCORRETO : A transformação cavernomatosa da veia porta e um efeito da trombose portal. Quando a veia porta está trombosada, na ausência de doença hepática, desenvolvem-se vasos colaterais portais hepatopetais (para o fígado), para restaurar a perfusão porta. Esta combinação é denominada transformação cavernomatosa da veia porta.
C. à inflamação pancreática ou neoplasia
INCORRETO : A trombose da veia esplénica isolada (hipertensão porta esquerda) costuma ser secundária à inflamação pancreática ou neoplasia, mas não é a causa mais frequente. O resultado é a hipertensão venosa gastroesplênica, com pressões venosas porta e mesentérica superior permanecendo normais.
D. a transformação da veia gastroepiplóica em vaso colateral
INCORRETO : A transformação da veia gastroepiplóica em vaso colateral e o efeito da trombose da veia esplénica isolada. Essa variante de hipertensão porta é importante de ser reconhecida porque é facilmente convertida apenas pela esplenectomia.
E. a esquistossomose
INCORRETO : a esquistossomose é a causa mais comum de hipertensão intra-hepática pré-sinusoidal

Gabarito:  A

AVALIE ESSA QUESTÃO: (2.91)
DISCURSIVA: (97278 votos) ..........100% das questões discursivas receberam votos.
Enumeram as quatro manobras clinicas provocativas para avaliação de um paciente com sindrome de desfiladeiro toracico (0,5 pontos)

RATING: 3.05

Enumeram as quatro manobras clinicas provocativas para avaliação de um paciente com sindrome de desfiladeiro toracico (0,5 pontos)

Foram descritas quatro manobras clínicas provocativas para avaliação de um paciente com suspeita de SDT. A perda ou a redução no pulso radial ou da reprodução dos sintomas neurais sugere um teste positivo.

(1) O teste de Adson (escaleno) provoca um estreitamento do espaço entre os escalenos anterior e médio, resultando em compressão da artéria subclávia e do plexo braquial. O paciente é instruído a inspirar maximamente e parar de respirar enquanto o seu pescoço é estendido completamente e a cabeça é girada na direção do lado afetado.Redução ou perda do pulso radial ipsilateral sugere compressão. (0,125 p)

(2) O teste de Halstead (costoclavicular) é usado para estreitar o espaço costoclavicular entre a primeira costela e a clavícula, deste modo causando compressão neurovascular. O paciente é instruído a colocar os seus ombros em uma posição de militar (recuados para trás e para baixo). Esta manobra causará modificações no pulso radial, se houver presente compressão de uma ou de ambas as artérias subclávias. (0,125 p)

(3) O teste de Wright (hiperabdução) leva a uma compressão das estruturas neurovasculares na região subcoracóide pelo tendão do peitoral, pela cabeça do úmero ou pelo processo coracóide. Para realizar esse teste, o braço do paciente é hiperabduzido 180 graus. Suspeita-se de compressão mediante redução ou perda do pulso radial. (0,125 p)

(4) O teste de Roos é realizado solicitando-se que o paciente abduza do seu braço 90 graus com uma rotação externa do ombro. Mantendo esta posição corporal, o teste de Roos modificado é realizado abrindo-se e fechando-se a mão rapidamente durante 3 minutos em uma tentativa de reproduzir os sintomas. (0,125 p)

FONTE:
http://www.misodor.com.br/PAREDETORACICAEPLEURA.html

AVALIE ESSA QUESTÃO: (3.05)

CASO CLINICO: (103496 votos)..........99.33% dos casos clinicos receberam votos.
Paciente do sexo feminino 59 anos, chega ao PS com hemiparesia esquerda há 1 hora. História de diabetes e HAS, com tratamento irregular com uso de daonil e hidroclortiazida. PA = 160 x 100 mmHg, P = 72/min (irregular) Bulhas arrítmicas, sem sopros, ausculta pulmonar limpa Glasgow = 15, com hemiparesia completa á esquerda Dextro: 230 mg/ dL. Apresenta ainda o ECG abaixo:

1) Qual é a hipótese diagnóstica? - 0,125 pontos
2) Que alteração está presenta na eletrocardiograma?- 0,125 pontos
3) Qual é o primeiro exame a ser utilizado, na emergência ainda?- 0,125 pontos
4) Qual é a medicação mais utilizada para prevenir episódios similares?- 0,125 pontos


RATING: 2.51

1) Qual é a hipótese diagnóstica?
Acidente vascular cerebral.(0,125 p)
DISCUSSÃO: Paciente deu entrada no serviço com quadro de déficit neurológico localizatório (hemiparesia á esquerda) de aparecimento súbito situação na qual o AVC é a principal suspeita clínica, o déficit é dependente da região afetada e classicamente os pacientes apresentam quadros de hemiparesias em sua apresentação. Caso o paciente apresente regressão dos sintomas em menos de 24 horas este será um caso de ataque isquêmico transitório,mas a maioria dos déficits nestes casos apresenta reversão na primeira hora.
2) Que alteração está presenta na eletrocardiograma?
Fibrilação atrial.(0,125 p)
Discussão : ECG demonstra intervalo R-R irregular sem ondas P precedendo os complexos QRS caracterizando a presença de fibrilação atrial. 3) Qual é o primeiro exame a ser utilizado, na emergência ainda?
A tomografia de crânio sem contraste.(0,125 p)
Discussão: O paciente apresenta como principal hipótese diagnostica um quadro de AVC isquêmico.deve-se descartar com maior urgência a presença de sangramento.O AVC isquêmico apresenta-se com área hipoatenuante,porém nas primeiras horas pode estar normal ou com sinais de alterações sutis como leve apagamento de sulcos cerebrais e tênue hipoatenuação de gânglios da base. 4) Qual é a medicação mais utilizada para prevenir episódios similares?
Anticoagulação oral com warfarin. (0,125 p)
Discussão: O paciente apresenta provável fonte cárdio-embólica do AVC devido a fibrilação atria.O objetivo é manter o INR entre 2,0 e 3,0. A anticoagulação com warfarin deve ser realizada com warfarin em pacientes com FA caso apresentam as indicações abaixo:
- Idade maior que 75 anos (embora boa parte da literatura recomende anticoagulação á partir dos 65 anos)
- AVC prévio
- Doença reumática
- Insuficiência cardíaca
- HAS
- Diabetes mellitus (embora exista alguma controvérsia da anticoagulação nestes pacientes.se é ou não uma indicação definitiva de anticoagulação).

AVALIE ESSE CASO CLINICO: (2.51)

 

1450 USUARIOS INSCRITOS

296 PROVAS FEITAS POR ASSINANTES

726 RECADOS DOS VISITANTES

NOSSO BANCO DE PROVAS TEM:
8564 QUESTÕES OBJETIVAS, PRECISAMENTE:

2091 DE CLINICA, 3763 DE PEDIATRIA, 1358 DE CIRURGIA, 364 DE OBSTETRICA-GINECOLOGIA, 738 DE SAUDE PUBLICA
124 QUESTÕES DISSERTATIVAS E 150 CASOS CLINICOS

Todos os direitos reservados. 2021.
O site misodor.com está online desde 04 de novembro de 2008
O nome, o logo e o site misodor são propriedade declarada do webmaster
Qualquer conteudo deste site pode ser integralmente ou parcialmente reproduzido, com a condição da menção da fonte.